REVELAÇÕES PREOCUPANTES!

VIVA2010

Antonini: revelações preocupantes

Escrito por Ilgo em março 17, 2013 para: Futebol|Deixe seu comentário
 

Os raios de sol que clareiam este domingo – pelo menos no horário em que escrevo – ajudaram também a iluminar um pouco o nebuloso caso Arena.

Eduardo Antonini deu entrevista à rádio Gaúcha no final da manhã.

Foi esclarecedor, e também preocupante, para não usar adjetivos mais assustadores.

Há tempos estou convencido de que houve muita mentira e/ou meias verdades quando o projeto Arena/Implode Olímpico começou a ser ‘vendido’.

Dizia-se, por exemplo, que o custo de manutenção do Olímpico era muito elevado e que seria reduzido drasticamente na Arena. Olha, assim à distância, me parece exatamente o contrário. Mas isso é um detalhe, que só lembro agora a título de exemplo de quanta coisa foi dita e omitida durante todo esse processo.

Antonini, principal executor do projeto, sucedido depois por Adalberto Preis, começou dizendo que ‘é preciso pensar daqui para a frente’, e esquecer o passado.

Mas como ignorar o passado se tudo o que está acontecendo agora é resultado do que foi feito nesses anos todos?

Revelação importante: não há aditivo para esse processo de migração que custa aos cofres do Grêmio 41 milhões de reais por ano.

Segundo Antonini, o contrato estabelece que a OAS deve ser indenizada por qualquer desconto ou benefício que o Grêmio der ao associado.

Assim, em maio de 2012, foi apresentada ao Conselho Deliberativo a solução para a migração, que é a que vigora hoje e que praticamente deixa o clube sem fluxo de caixa.

Não houve votação porque não era tema para votação, segundo Antonini, citando decisão nesse sentido do presidente do CD, Raul Régis.

Agora a novidade, ao menos para mim: essa solução para “acomodar sócio” tem prazo de validade: um ano. Depois, pode ser alterada. Pode ser encontrado outro mecanismo para ressarcir a OAS. Menos mal.

Seria o caso de antecipar essa alteração.

Antonini disse que os problemas estão acontecendo porque é um ano especial, com “despesas extraordinárias que apertam o caixa”.

Ninguém havia alertado de que isso poderia ocorrer. Era tudo maravilhoso, um sonho, um novo tempo. Está provado que o caminho ao paraíso é coberto de pedras e espinhos, além de armadilhas e falsos atalhos.

Sobre os 65% do faturamento que devem voltar ao caixa – após deduzidas despesas -, Antonini fez a revelação mais importante e bombástica:

Nos primeiros sete anos – aí ele falou algo sobre o período de custos relativos ao financiamento – grande parte do dinheiro sai como despesa, restando pouco para o clube.

Sete é um número cabalístico. Sempre me faz lembrar a Bíblia com ‘os sete anos de vacas magras…’

Quando se ‘vendia’ a história dos 65% que voltam ao clube, ninguém esclareceu esse detalhe ‘insignificante’ de que o retorno se dará bem mais adiante.

Agora entendo a preocupação, quase desespero, que tomou conta da diretoria atual.

Não tenho dúvida, contudo, que Fábio Koff e seus companheiros saberão encontrar uma saída para essa enrascada. Aliás, é PRECISO encontrar uma saída.

Eduardo Antonini encerrou assim a sua entrevista: precisamos encontrar uma solução para oxigenar as finanças.

Temos, então, que a pílula realmente não é tão dourada  como se dizia.

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s